A NATUREZA DO NOUS NA FILOSOFIA DE ANAXÁGORAS

Autor: Alan Eugênio Dantas Freire1
Orientador: Maria Veralúcia Pessoa Porto2
Área Temática: Filosofia

(INTRODUÇÃO) A busca pela compreensão do princípio de todas as coisas é uma temática constante na Filosofia Antiga. Anaxágoras de Clazômenas (500 a.C – 428 a.C) vê nas homeomerias as realidades constituintes do princípio material de todo o universo. Por efeito do movimento impresso pelo Nous, delas as coisas se derivam. Comumente traduzido por Inteligência, como também por Intelecto ou Pensamento, o Nous está presente na discussão filosófica dos pensadores antigos e medievais. Surge a necessidade, por vias de sua problemática ontológica, definir a natureza do Nous e os efeitos que de sua ação decorrem na concepção do Ser, o que corresponde ao objetivo primordial deste trabalho. (METODOLOGIA) Além das valiosas discussões desenvolvidas nas aulas de História da Filosofia Antiga, no curso de Filosofia da UERN, este trabalho vale-se de uma criteriosa análise bibliográfica, que parte dos fragmentos do Tratado Sobre a Natureza, de Anaxágoras, perpassando por autores como Platão, Aristóteles, Plotino e Hegel, dentre outros. (RESULTADOS) Dadas as circunstâncias de sua utilização, tem-se preferido não traduzir o termo Nous. Anaxágoras o vê como a Inteligência ordenadora de todo o cosmos. Em Platão, essa Inteligência adquire o significado de alma racional, enquanto que Aristóteles exalta a sua excelência, garantindo a essência do Absoluto, como Inteligência de si mesmo, constituinte do Inteligível. Ademais, discussões diversas são elencadas frente à natureza do Nous, nas eras helenística e imperial, no pensamento plotiniano – que o define como a segunda hipóstase – e na crítica dirigida por Hegel. Tais autores incessantemente se questionam e ousam definir a constituição do Nous, ora admitindo caráter puramente gnosiológico, ora sendo encarado como elemento divino. (CONCLUSÃO) O Nous na filosofia de Anaxágoras define-se como a mais sutil e a mais pura de todas as coisas, possuindo pleno conhecimento de tudo e detendo poder sobre todas as coisas. O Nous é a Inteligência Cósmica, o princípio que rege o universo, sendo o único responsável pela composição e divisão das homeomerias, não podendo se denominar Deus, uma vez que não contém todas as atribuições divinas. O Nous é uma corporeidade sutil e sua ação é de natureza mecânica: move e separa os opostos que, inicialmente, estavam juntos; sempre idêntico a si mesmo, é o mesmo em todos os seres animados.

Palavras Chave: Nous, Inteligência, Intelecto, Ontologia, Filosofia Antiga



1Aluno de Graduação em Filosofia da UERN - Central
2Mestre em Filosofia Política em Letras da UERN - Central